Terça-feira, 26.02.08
Fiquei fascinado com a extrema importância desta investigação científica, tenho uma mente naturalmente curiosa e assaltam-me inúmeras interrogações.
 
Por exemplo, como é que se começa um estudo destes?
Será com um ‘recoste-se e relaxe’?
E como é que ele sabe que chegou ao sítio certo, hein?
Pelos suspiros das voluntárias? Pelas contracções? Pelos ‘ai meu deus’?
Será que elas vão dando instruções?
Mais à esquerda, um nadinha à direita, aí, aí, aí… auuuuuuú!!!’
.
Curiosidade, pá!
 
A minha fértil imaginação compara este cientista aos descobridores de novos mundos.
.
Os nossos nautas aventuraram-se por mares nunca dantes navegados e dobraram o Cabo das Tormentas.
.
Este corajoso homem da ciência aventurou-se por vaginas desconhecidas e dobrou o Cabo do Osso Púbico.
.
Os descobridores enfrentaram tempestades e mar bravio, abrindo assim o caminho marítimo para a Índia e o acesso ao bem mais desejado da época, as especiarias.
.
O Emmanuele Jannini enfrentou abismos quentes e húmidos, abrindo (boa palavra) caminho até ao nunca antes titilado ponto G e o acesso ao bem mais desejado dos nossos dias, o prazer físico.
.
Orgásmico, não é?
. 
E não me venham dizer que estava tudo ali, à distância de um dedo.
 
 
Serviço cívico: Ponto G
Música: The Dresden Dolls - First Orgasm

Arquivado em:

antídoto às 11:56 | link do post | comentar | ver comentários (6)

coisas ditas

Ainda o ponto G

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds