Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Little Drop of Poison

veneno avulso com antídoto incorporado

veneno avulso com antídoto incorporado

Little Drop of Poison

31
Ago07

Coisas que não me importaria de ter escrito

antídoto
Wave
.
Jobim está a tocar para mim. Está aqui sentado, à minha beira, a olhar-me de vez em quando, como se procurasse, a cada acorde que arranca das suas teclas de marfim, o meu sorriso.
Há muito que não o escutava. Há muito que me sentia desligada desta incomensurável sensibilidade e desta tão entranhante forma de estar. Há alturas assim, em que falhamos os nossos sonhos e os nossos compromissos pessoais em nome nem sabemos bem do quê. De coisas que na altura nos parecem mais provavéis, mais significativas. Mas é quando o escuro baixa nos nossos dias que tendemos a avaliar da veracidade dessas nossas opções. Nem sempre as nossas razões são plausíveis, nem sempre os nossos sonhos são justos. Normalmente, por definição, os sonhos não são justos. A vida também não. E é ela quem, tipicamente, nos cria limites e entraves que levamos uma vida toda a curar e a entender. Devia ser ilegal haver limites para os sonhos. Devia ser proibido racionalizar os nossos sonhos, adaptá-los à realidade, restringi-los a esse critério insultuoso que é a razoabilidade. Às vezes olho para trás e vejo-me cheia de garra, de guerra, de guelra no sangue. Vejo-me dona do mundo, imparável, implacável. Devo estar mesmo a envelhecer. Já não tenho o mesmo ritmo, o mesmo poder, a mesma vontade, a mesma determinação. Agora pauto-me por esse conceito miserável da razoabilidade. Não sou ou não faço porque não é razoável que o faça ou que o seja. Porque tudo e todos à minha volta, de repente, passaram a ser mais importantes ou mais pesados em termos de decisão. Já não sou só eu que conto, ja não me tenho só a mim. Agora sou eu e a minha vida, e as minhas responsabilidades e as minhas limitações e a minha imagem e a minha consciência e a minha paciência e a minha razoabilidade. Agora há livros que me ensinam a Ser e gente que me aconselha o que é melhor. Já não sou só eu e os meus livros ou os meus discos ou a minha poesia. Já não estou sozinha mas sinto-me muito mais só. Ando a dormir com livros dos outros, com músicas que não canto e esta infidelidade pesa-me por dentro como toneladas de aço que me afundam todos os dias. Quero os meus sonhos de volta. Intactos, de preferência. Com a mesma sede de viver, com os mesmos contornos, com as mesmas cores. Não quero ter  que  me  adaptar  ou ter  que adaptá-los. Não quero outras escolhas que não as primeiras, não quero outras filas que não as da frente.


(suspiro)



(socorro!!!!)

Sim Jobim, eu sei. "Fundamental é mesmo amar. É impossível ser feliz sozinho"

.
Autora:  Luisa - Blog Fragilidades
.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D