Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Drop of Poison

veneno avulso com antídoto incorporado

veneno avulso com antídoto incorporado

Little Drop of Poison

17
Jan08

O amor é

antídoto
A ciência vai dando passos lentos mas seguros no conhecimento do cérebro humano, já sabemos que andamos todos a toque de hormonas e que as nossas emoções são em grande parte explicadas por elas.
 
Os homens são todos uns brutos, infiéis, indignos de confiança que só pensam com o pénis?
Resposta: um adulto do sexo masculino produz cerca de vinte a trinta vezes mais quantidade de testosterona (responsável pela libido e pela agressividade) que o organismo de um adulto do sexo feminino.
 
Eta, companheiros, afinal não somos nós, a responsabilidade é da hormona e temos todos desculpa!!!
 
Num estudo da Faculdade de Medicina de Yale, cientistas observaram que altos níveis de testosterona, ainda que por períodos curtos de seis a doze horas, causaram morte em culturas de neurónios.
 
Eta, companheiros, afinal elas têm razão no que afirmam. Mas continuamos a não ter culpa, verdade?!
 
Estão a gostar até aqui? Sim? Ainda bem, mas isto não tem nada a ver com o tema do post que é a velha questão do que é o amor.
 
Passamos a vida a relacionarmo-nos, a seduzirmo-nos, a apaixonarmo-nos, a sofrermos, a vivermos em função de outros e a reproduzirmo-nos ou a treinarmos muito para isso.
Andam os poetas há séculos a cantar odes à Lua, aos passarinhos, à paixão e ao amor.
 
E afinal não querem lá ver que em vez de razões elevadas, poéticas, transcendentais, tudo se reduz a uma coisa tão comezinha como as substâncias químicas produzidas pelo nosso organismo?!
 
E há muitas que se dedicam a regular as nossas sensações de bem-estar, como a dopamina, a noradrelina, a serotonina, a ocitocina, etc.
 
A ocitocina, por exemplo, tem a função de promover as contracções uterinas durante o parto e a ejecção do leite durante a amamentação. Encontraram-lhe ligações ao que sentimos quando abraçamos um parceiro de longa data ou pegamos nos filhos ao colo. Tem efeitos no controle da agressividade e é bem capaz de ser a responsável pelos nossos níveis de generosidade, empatia e confiança para com os outros.
Muitos especialistas chamam-lhe a hormona do amor, já que a sua concentração no organismo aumenta 400% depois do orgasmo.
Ou seja, esta gaja foi feita para ajudar as pessoas a ficarem juntas durante muito tempo.
 
E dirão vocês: Mas anda tudo tão infeliz no amor, tão insatisfeito e acabrunhado, onde raio andam elas afinal, será que nos últimos tempos fizeram greve?
 
E respondo eu: Não será exactamente o contrário? Não andaremos todos tão viciados em ‘bem-estar’ que já não tiramos nenhum prazer das coisas simples e tranquilas?
 
Pois é… 
.
Ou será que não é?
 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D