Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007
Nascemos e somos cuidados, alimentados, criados, protegidos e incondicionalmente amados pelos nossos pais.
 
Crescemos nessa bolha confortável que nos protege do mundo exterior, plenos de imaginação, fantasia e ilusão.
 
E chega o dia em que, voluntariamente, nos afastamos das asas protectoras dos pais, desejosos de iniciar um novo ciclo das nossas vidas, seguros de que vamos realizar tudo o que sonhámos.
 
Sentimo-nos os melhores, diferentes dos restantes, capazes de tudo, fortes, indestrutíveis, imortais.
 
Os anos vão passando, lutamos, ganhamos e perdemos batalhas, vamos percebendo que, afinal, não controlamos integralmente a nossa vida, que muitas vezes o acaso põe e dispõe e que nunca descansaremos.
 
Instala-se a insatisfação emocional com muitos aspectos da sociedade que criámos e do rebanho humano que nela pasta.
 
E, ainda que não o confessemos, há momentos em que desejávamos poder regressar à bolha, esquecer tudo e apenas deitar a cabeça no colo dos que nos alimentaram, criaram, protegeram e incondicionalmente amaram.
 
Temos cada vez mais presente a noção da nossa finitude.
 
A incapacidade de o conceber inventa para nós soluções mágicas de continuidade a que muitos se entregam.
 
Filosofias, gurus, bruxos, religiões, deuses, promessas de leite e mel, de outras vidas, de eternidade.
 
Outros, poucos, assumem e aceitam o conceito biológico da vida, nascer, crescer e morrer, ponto final.
 
E dito isto o que sobra?
 
Ó pá, sobra tudo!
 
A vida é bela, tem muitas coisinhas fantásticas e há que deixarmo-nos de parvoíces e vivê-la intensamente.
 
Música: Lou Reed - Take A Walk On The Wildside 

Arquivado em:

antídoto às 13:31 | link do post | comentar

17 comentários:
De www.egodependente.blogspot.com a 12 de Dezembro de 2007 às 16:47
Pois. Não concordo. e logo na parte de crescermos numa bolha à prova de tudo porque amados e acarinhados e tal e coiso. Quem nos ama, se nos ama saudávelmente, deixa nos cair, para que esfolemos os joelhos e que saibamos que cicatriza (com beijinhos obvio). Porque só assim podemos crescer sabendo que vamos cair sim, vamos nos magoar "pa caraças" mas que tudo passa e tudo se cura (nem tudo mas pronto, mantemos a coisa romantica). Essas pessoas que estás a falar (escrever) cresceram egocentricamente. Acham que o mundo é a sua ostra, que os outros existem só para lhes satisfazerem os desejos. Quando existe alguém que os faz cair, os tipos olham para o joelho em panico e aí, meu antidoto, não há beijos que o safem.

Boa tarde. Como vai?


De antídoto a 12 de Dezembro de 2007 às 18:06
Tens que entender para além do literal.
Claro que é para magoar os joelhos, estava apenas a referir os primeiros anos de vida, em que, regra geral, não temos mais problemas para além dos arranhões.

Boa tarde, também, e vou de carro :)


Comentar post

coisas ditas

Case Study: DSK

Fui raptado por extra-ter...

3 em 1 - Exemplos do que ...

Música pela paz

Ainda bem que não somos p...

Destroque-me

O que é uma pessoa defici...

Leva-me à minha rua

Inversão de valores

Tarde de mais

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds