Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Drop of Poison

veneno avulso com antídoto incorporado

veneno avulso com antídoto incorporado

Little Drop of Poison

23
Out07

O coração tem mais quartos que uma casa de putas *

antídoto
Todos os estudos afirmam que a monogamia é uma raridade entre os animais e com o Homo Sapiens não é diferente.
.
O facto é que nós, bichos com alma, achamos que, por isso mesmo, estamos livres da influência biológica, regemos as nossas vidas e tomamos as nossas decisões apenas e só tendo por base o intelecto.
.
Nada mais errado. Cada vez surgem mais provas de que a nossa animalidade está bem presente e influencia, mais do que gostaríamos, a forma como nos comportamos.
.
A monogamia não passa de um mito contranatura, laboriosamente erigido pela cultura humana, um caldo fervido com muitas doses de preceitos religiosos (catolicismo a granel), um bocado de pragmatismo económico (como a necessidade de regular o direito à propriedade privada), um toque de ingredientes sociais (reconhecimento da prole) e, claro, um punhado de comodismo, já que não é toda a gente que tem estofo ou disposição para enfrentar o arriscado e instável mercado de encontros.
.
“O mais poderoso mito que envolve a monogamia é aquele que diz que, ao encontrarmos o amor das nossas vidas, nos dedicaríamos inteiramente a ele”. Quem o afirma são o psicólogo David Barash e a psiquiatra Judith Eve Lipton, autores de “The Myth of Monogamy: Fidelity and Infidelity in Animals and People” e casados entre si há mais de 20 anos  (agora ri-me).  
 
Por estas e por outras é que eu nunca prometo fidelidade, sim lealdade.
 
O que me lixa é que nenhum estudo científico consegue explicar razoavelmente a componente fundamental da esmagadora maioria das relações humanas: O amor.
.
Seja lá como for, vi no blog Murcon que a poligamia faz mal aos homens, parece que quanto mais poligâmica é uma espécie, mais depressa os machos envelhecem e morrem.
Os investigadores da Universidade de Cambridge concluíram que isto acontece em função da intensa competição sexual.
 
Por isso, companheiros, tenham medo, tenham muito medo.
 
E saiam-me da frente!   : )
.
* in “O Amor nos Tempos de Cólera” de Gabriel García Marquéz
.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D