Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Drop of Poison

veneno avulso com antídoto incorporado

veneno avulso com antídoto incorporado

Little Drop of Poison

26
Jan07

Interrogações

antídoto
Quarta-feira, 18 horas
Saio do trabalho muito bem dispostinho, prevejo jantar um bitoque e depois, talvez, um cinema.
Chego ao pé do carro e... Merda, um furo!
Isto é como quando se me acabam os agrafos, calha-me sempre a mim (se bem que só eu uso o agrafador).
Vai de tirar o macaco, a chave de rodas, o pneu suplente, ver que o carro ao lado está tão chegado que mal caibo entre o espaço que resta e usar veementemente o calão todo que aprendi, ao perceber que os parafusos estão tão apertados que vou suar as estopinhas para conseguir mudar a roda.
Quarta-feira, 18 horas e 45 minutos
Mando o pneu furado para a mala do carro, limpo as calças com os pulsos porque as mãos estão mais negras que o meu estado de espírito, dirijo-me a um café a abarrotar de gente para as lavar e, ao olhar-me ao espelho, percebo a linda figura que fiz, tenho um vinco de sujidade (deixemo-nos de maneirismos, era merda mesmo) desde a sobrancelha ao canto da boca.
Quarta-feira, 19 horas
Travo a fundo, à frente da casa dos pneus, grito para o rapaz que está a fechar a porta para ‘aguentar os cavais’ e entrego-lhe o pneu para remendar. Pergunto se não preciso deixar o nome, mas o moço está cheio de pressa e diz que não é necessário.
Sexta-feira, 17 horas e 15 minutos
Entro na casa dos pneus.
- Boa tarde, venho buscar um pneu que deixei cá na quarta-feira.
- Nome?
- Disseram-me que não era preciso deixar o nome.
- E agora como é que quer que a gente descubra a roda? Responde o senhor com maus modos.
- Ó meu amigo, não seja por isso, levo até um novo. E, já agora, chame-me lá o gerente.
Vem o gerente, muito solícito, conversa-se, percebe-se que o rapazinho que me recebeu a roda não está lá hoje, revolvem-se dezenas de pneus – É este? Não. É este, não – e, 40 minutos depois, já eu bufava de impaciência, lá me encontram o dito cujo.
- Olha, afinal não tinha furo.
- Não?! Admiro-me eu.
- Não. Encheu-se, não se encontrou nada, ficou dois dias e não perdeu ar.
- OK, devo alguma coisa?
- Nada, vizinho, tenha um bom fim-de-semana.
- Igualmente.
Sexta-feira, 18 horas
Saí de lá com duas interrogações em mente:
1ª - Quem foi o filho da puta que se entreteve a despejar-me o pneu?
2ª - O gerente é meu vizinho??!

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D