Sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

Nos anos 60, com o movimento hippie,  nasceu uma filosofia de vida que acabou por se disseminar, na sua essência, por todas as áreas das sociedades e tornar-se parte da cultura ‘principal’. Eles foram os precursores da liberdade sexual, da não-discriminação das minorias, do ambientalismo, da igualdade, da não-violência, até do misticismo actual. Celebravam a vida e o amor.

 
Hoje, no ano 8, vivemos uma filosofia de vida que exalta o "deus" que existe dentro de cada um de nós, o "Eu", a fuga de padrões pré-estabelecidos para a criação dos nossos próprios padrões, numa palavra, o individualismo.
As pessoas são medidas e admiradas pelo seu poder, pelo seu sucesso, pelo carro que guiam, as marcas que vestem, o relógio que exibem e tudo se resume a ajudar quem nos ajuda e a desprezar, nem que seja pela indiferença do esquecimento, os que não são dignos da nossa ‘estima’, em vez de fingirmos que nos preocupamos com eles.
Importa-nos pouco o outro, a não ser na medida em que serve os nossos desejos, emocionais, carnais, financeiros ou outros.
Vivemos para a essência da vida e não para fúteis sonhos espirituais, para a vingança e não para dar a outra face, para o ‘eu quero’ e não para os ‘vampiros psíquicos’.
Adoramos todos os denominados pecados, uma vez que todos nos dão gratificação física, mental e emocional!
Enfim, vivemos para  a satisfação dos nossos desejos inatos e só nos  conformamos com os desejos dos outros quando, em última análise, isso nos vai beneficiar.
Somos como crianças pequenas que não se privam dos seus desejos mais naturais e que fazem tudo para conseguirem o que querem em cada momento.
Se pensarmos bem, nada disto é estranho ou criticável, antes algo intrínseco ao ser humano consciente e inteligente.
Não fossemos nós corrompidos pela moral, hipocrisia, estupidez e escravidão do mundo que nos rodeia e manteríamos o egoísmo da pureza original.
 
É triste mas parece-me que para lá caminhamos.
 
 
P.S. Há uma associação que defende este estilo de vida, se alguém se reviu no que leu pode saber mais aqui.
 
 


antídoto às 19:51 | link do post | comentar

3 comentários:
De mize a 18 de Outubro de 2008 às 14:39
va de retro satanas!


De Maria Moura a 23 de Outubro de 2008 às 00:01
nahhhhh! Impressão tua!


De CASTRONAUTA a 25 de Outubro de 2008 às 00:14
Acho que sempre fomos assim, desde sempre. O movimento hippie teve menos importancia do que aquela que se lhe dá por duas razões: eram uma minoria e ainda hoje a maioria da sociedade é conservadora, mas mais tolerante com algumas liberdades. Não significa que não discrimine, mas usa a indiferença para controlar acções de reprovação.

Em geral, concordo com a ideia do texto.


Comentar post

coisas ditas

Case Study: DSK

Fui raptado por extra-ter...

3 em 1 - Exemplos do que ...

Música pela paz

Ainda bem que não somos p...

Destroque-me

O que é uma pessoa defici...

Leva-me à minha rua

Inversão de valores

Tarde de mais

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds