Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007
Esse ser frágil e etéreo que dá pelo nome de mulher, sempre foi susceptível a enfermidades gravíssimas.
 
Uma das mais conhecidas é, sem dúvida, a histeria.
 
Lazarus Riverius (1589-1655  ) definia-a assim:
 
“…uma espécie de loucura, que aparece de um desejo veemente e incontrolável de um Aconchego Carnal, cujo desejo impede tanto a Faculdade da Razão que a Paciente urra e diz coisas lascivas...”
.
Histéricas do meu país e arredores, por favor... ups... desculpem, entusiasmei-me.
.
Continuando.
 
Já Pieter Van Foreest (1521-1597) prescrevia o tratamento adequado:
 
"...quando aparecem os sintomas, é necessário a ajuda de uma parteira, para que ela possa massajar a genitália com um dedo dentro, usando óleo de lírios, almíscar, açafrão ou algo parecido..."
 
Hum, hum… abençoadas… hum… continuemos…
 
O que muitos de vocês não saberão é que foi esta mesma histeria que levou a industria médica a desenvolver, na segunda metade do século dezanove, vibradores medicinais, muito úteis para a prevenção e cura dos sintomas.
 
Os primeiros modelos, embora eficientes, eram grandes e caros.
 

Manipulator – 1860
 
 

Excitateur vulvo-uterin - 1883  
 
 
Vocês puseram-se bem naquilo?!     Que grandes que eram…
.
Claro que com o advento dos modelos portáteis, movidos a electricidade, o uso doméstico começa a difundir-se.
 
 
Vibrador portátil – Começo do Séc. XX
 
Medo! Mas prontes, era com receita médica.
 
E daí para cá foi sempre a aviar, a indústria percebeu que a histeria era uma epidemia, apossou-se da ideia, desenvolveu-a e hoje já há coisas como o Thetoy, um vib que funciona com mensagens de texto, por telemóvel.
 
 
 

 
 
Digam-me lá, vocês não acham isto um cadito exagerado?
.
Quer dizer, o moço manda uma sms e, enquanto ela a lê, ouve-se bzzzzzz...  não sei...
 
Enfim, eu até gosto da histeria… heee… quer dizer… acho uma coisa bonita...
 
Mas, prontes, para nós, homens histéricos, basta um polegar oponível  e o facto é que as mezinhas caseiras continuam a funcionar muito bem.
 
Música: Beach Boys - Good Vibrations

Arquivado em: ,

antídoto às 13:21 | link do post | comentar

6 comentários:
De clara a 4 de Dezembro de 2007 às 19:29
as coisas que aprendo neste blog....


De antídoto a 4 de Dezembro de 2007 às 21:51
Biste?! Muita coltura, é o ké.


De Ana a 4 de Dezembro de 2007 às 19:45
tenho cá um feeling que com tanta dúvida existencial sobre o mundo feminino, na próxima reencarnação mudas de género ;)


De antídoto a 4 de Dezembro de 2007 às 21:54
Tá bem. E isso é p'ra quando?


De Mizé a 5 de Dezembro de 2007 às 09:20
Como mocinha simples que sou e avessa a tecnologias sofisticadas só me ocorre que o tal the toy entre em curto circuito e nem uma mesa "Manipulator" com cintos segurem a histérica da gaja :-)


De antídoto a 5 de Dezembro de 2007 às 11:02
Pois era, num caso desses só 3 ou 4 rapazes bem musculados é que a conseguiriam segurar :)


Comentar post

coisas ditas

Case Study: DSK

Fui raptado por extra-ter...

3 em 1 - Exemplos do que ...

Música pela paz

Ainda bem que não somos p...

Destroque-me

O que é uma pessoa defici...

Leva-me à minha rua

Inversão de valores

Tarde de mais

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds