Sábado, 17 de Novembro de 2007
Será que o valor de cada um de nós pode ser mensurável e traduzido em dólares?

Será que coisas como o sucesso financeiro, fumarmos coisas que fazem rir, termos pêlos no corpo, a altura, a falta de cabelo, o tamanho do pénis, o nosso estilo de vida, a inteligência, os gostos, os preconceitos, nos fazem ser melhores ou piores que qualquer outra pessoa?

É um facto que os outros nos medem por tudo isso, é a velha história de o hábito fazer o monge.

Mas  há coisas verdadeiramente valiosas em cada um de nós que raramente são vistas. E é pena.

Seja como for, fiz este teste e descobri que valho precisamente dois milhões quatrocentos e cinquenta e cinco mil quatrocentos e setenta e oito dólares.

E, meus amigos, por este preço vendo-me já!

Por este preço, que digo eu?! Faço até um desconto de 75% e aceito o pagamento em suaves prestações mensais, ao longo de, digamos, dez anos.

Ena, o telefone já toca...

Música: Pink Floyd - Money

Arquivado em:

antídoto às 23:05 | link do post | comentar

27 comentários:
De M.J. a 18 de Novembro de 2007 às 20:45

Pois eu não vou fazer teste nenhum. Não quero ter um valor pecuniário.
Quero ser uma preciosidade de valor incalculável.
(E sim, a modéstia é uma das minhas inúmeras virtudes, como é óbvio).



De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 20:50
Olhe a soberba, menina Marta Joaquina, olhe a soberba...


De Insaciavel a 18 de Novembro de 2007 às 21:01
$2,969,968.

Mas o meu valor ainda seria supeior não fosse a parte do divórcio......

Bjos



De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 21:07
Também o meu, mas o que me lixou mesmo foi a medida do pénis


De M.J. a 18 de Novembro de 2007 às 21:35

Olha! Ainda bem que não fiz o teste...!!
Se o tamanho do pénis conta, tadita de mim... desvalorizava comó ca... bem... muito...


Marta Joaquina...? Hmmmmm... frio, frio.... (mas uma hipótese tão válida como qualquer outra).


De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 21:37
Imagino que o teste no feminino pergunte pelo tamanho do rabo ou dos seios, por isso estás à vontade, Maria João.



De M.J. a 18 de Novembro de 2007 às 21:47

Nessas áreas estou um nadinha mais à vontade, sim...


Gosto mais de Maria João... embora o arrefecimento se mantenha.

E mais não digo... que não tarda estamos a conversar...



De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 21:54
Eu até acho que já sei com que nick vocelência costuma comentar por aí mas, uma vez que se quer manter na reserva, não vou aqui destapá-la em público


De M.J. a 18 de Novembro de 2007 às 22:09

Esses óculos são estilo jogador de póquer, não são?


De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 22:17
São sim, Mrs J


De M.J. a 18 de Novembro de 2007 às 22:28


Também não era tããããooo difícil! Não estava assim tão under cover...

Só este fim de semana já me destapei em não sei quantos blogs...

Mas pronto... mesmo assim reconheço-te o mérito, Sherlock Holmes.


De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 22:30
han han... Mas porquê embuçada, gostas do fado?


De Mrs. Jones a 18 de Novembro de 2007 às 22:42

E agora é que eu percebi quão difícil foi descobrir... foi preciso fazer reservas para Marte durante três meses...!!!!!!


Sou tímida.


De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 22:45
Tímida mas esperta que nem um alho (se bem que nunca percebi esta expressão)


De Anónimo a 18 de Novembro de 2007 às 22:48


Obrigada. eu gosto de alho (e derivados).


De Mrs. Jones a 18 de Novembro de 2007 às 22:50


Não era anónimo, era eu.

(You're not so bad yourself).


De Mrs. Jones a 18 de Novembro de 2007 às 23:04


Mas que confusões e repetições!!! Descupa a desarrumação.


De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 23:13
Estás nervosa?


De Mrs. Jones a 18 de Novembro de 2007 às 23:28

Nervosa?

Um bocado...
Não tarda corres comigo por estar a "falar" demais...
E que há outros sítios...e tal...
Daí ao estatuto de persona non gratta é um pulinho...


De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 23:54
Já faltou mais, conversar é bom mas...


De Mrs. Jones a 19 de Novembro de 2007 às 00:00

Mas...?

Fui.


De Maria Moura a 18 de Novembro de 2007 às 23:23
Olha, mon cher, já nem sei ao que vinha ; perdi-me aqui no chat e assim a modos que sem querer interromper, aproveito para te pedir um raminho de salsa lá para o guisado do meu James. [mas que refogado que para aqui vai, homem! A cebola já queima!]

Ah o teste! Testes não, pá! Pas du tout!

[ na volta, falo em Italiano só para impressionar]



De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 23:35
Ó pá, tu senta-te e conversa também um pouquinho


De Maria Moura a 18 de Novembro de 2007 às 23:46
Ah tu queres conversa, filho? [não te atrevas a chamar-me mãe!]

Olha, já pus o avental e estou prontinha para ir pra cama. Não ligues, é um fetiche do meu James!

Ena, o telefone já toca...é ele! Diz que nem com descontos e muito menos a prestações. Quer a pronto! O gajo é esquisito. Vou[me]! e já não volto.


De antídoto a 18 de Novembro de 2007 às 23:58
Essa do avental e cama nunca me tinha ocorrido, sem cama sim :)


De AEnima a 22 de Novembro de 2007 às 00:18
Nao fizeste batota??? Eu valho 1 milhao menos que tu! chuifff


De antídoto a 22 de Novembro de 2007 às 00:47
xa lá, quando chegares à minha idade fazes o teste de novo :)


Comentar post

coisas ditas

Case Study: DSK

Fui raptado por extra-ter...

3 em 1 - Exemplos do que ...

Música pela paz

Ainda bem que não somos p...

Destroque-me

O que é uma pessoa defici...

Leva-me à minha rua

Inversão de valores

Tarde de mais

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds