Terça-feira, 18 de Setembro de 2007
Há coisas que sempre me fizeram confusão e para as quais não encontro nenhuma explicação lógica.
Uma delas é o terror patológico que 90% das mulheres têm pelas baratas. E olhem que estou a ser bonzinho ao dizer 90%, ok?!
Toda a vida esperei que, mais tarde ou mais cedo, surgisse um estudo científico que viesse fazer luz sobre as razões profundas deste facto indesmentível mas, para meu grande assombro, tal nunca aconteceu.
Suponho que, por ser uma coisa tão banalizada, passou a ser encarada como natural e inevitável, ninguém se preocupando com os graves traumas psicossomáticos daí resultantes, principalmente numa época em que cada vez há mais mulheres a viverem sozinhas, completamente desprotegidas e vulneráveis.
Eu preocupo-me, não consigo aceitar que assim seja. Quem já ouviu o grito de pavor e o consequente histerismo descontrolado de uma mulher que viu uma barata, não pode ficar insensível ao fenómeno, não concordam?
Não tenho nenhuma dúvida que o horror profundo que a mulher sente pelas baratas (noutro dia falarei do horror profundo que a barata sente pelas mulheres) deve ter uma explicação que se perdeu nos confins dos tempos, é uma coisa que ficou gravada no vosso código genético e passa de geração em geração.
Porém, acho que tudo é passível de melhoramento e proponho que nos debrucemos sobre algumas questões básicas.
Tentemos ser pragmáticos, todos concordamos que não se pode resolver o problema pela via da extinção.
As baratas são insectos pré-históricos, existem há milhões e milhões de anos, são hiper resistentes e adaptáveis, chegando a sobreviver seis dias sem cabeça, acabando por morrer de fome pela impossibilidade de se alimentarem.
Já as mulheres, que podem sobreviver a vida inteira sem cabeça, ainda nos vão fazendo alguma falta.
Posta de lado esta hipótese e considerando que promover o convívio entre as espécies é utopia, só vislumbro uma outra possibilidade, um chamamento à razão.
Pensem comigo, meninas, vamos fazer um exercício de lógica.
a) Um espécime humano do sexo feminino tem um peso médio de 60 quilogramas (lá estou eu a ser bonzinho) e uma barata gorda não ultrapassa meio grama, correcto? Então não há nenhum risco de virem a ser esmagadas pelo bichinho, ou há?!
b) Uma baratinha apanhada em flagrante o que faz, digam lá? Corre esbaforida para o lugar seguro mais próximo, verdade? Então não há necessidade de saltarem para cima de uma cadeira, nem de se trancarem na divisão mais distante da do encontro imediato, muito menos de saltarem pela janela ou chamarem o 112.
c) Diz a canção que “a barata diz que tem sapatinhos de veludo” mas o que “ela tem é o pé peludo”, pois diz? Ora vocês têm sapatos especialmente desenhados para liquidar as desgraçadas nos cantos, ou não têm?! Para não falar em todo o género de armadilhas, venenos e insecticidas com que a natureza, digo, a industria vos dotou.
Posto isto, confessem lá, não acham que é completamente despropositada a vossa reacção às baratinhas e outros bichinhos que tais?
É que assim parecem umas baratas tontas.
.
Música: Les Negresses Vertes - La Cucaracha

Arquivado em:

antídoto às 15:58 | link do post | comentar

36 comentários:
De TNT a 18 de Setembro de 2007 às 17:59
Lá despropositada é...
Mas que eu faço essas fitas todas e muito mais, lá isso faço!
Aliás é das poucas oportunidades de me verem aos gritos... histéricos... insuportáveis... decibélicos.... de fugir, portanto!
As piores férias que passei até hoje foram no Porto Santo. Há lá aos molhos por todo o lado, inclusivamente no hotel... um stress!!!


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 10:41
Hummm... muito feminino...


De clara a 18 de Setembro de 2007 às 20:38
Proud to say que faço parte dos 10% a quem baratas e insectos em geral não fazem mossa. Já os ratos...isso sim é nojento.


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 10:47
Huummm... muito feminino


De In a 19 de Setembro de 2007 às 02:39
Pois... confesso que me esforço imenso por não ficar histérica... mas a tensão é enorme...
Quanto a Porto Santo... aquilo está mesmo infestado!


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 10:49
Ok, ok, vou desmarcar a viagem a Porto Santo.


De JoanaTorrado a 19 de Setembro de 2007 às 10:05
Bom dia.

Parabéns pelo Blog. Merece estar em destaque na Homepage do SAPO e na página principal dos Blogs (http://blogs.sapo.pt).

Boa continuação :)


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 11:02
Heee... obrigado mas... quem é que define que blog merece o quê?


De deirdre a 19 de Setembro de 2007 às 12:10
Tens de concordar que não são propriamente um amor de bicho! Estou feliz por pertencer aos 10%, tive nenhuma reacção histérica por causa de uma barata, já as aranhas causam em mim um descontrolo que não consigo explicar....


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 12:37
Como é que podem ser um amor de bicho se ninguém brinca com elas, tadinhas


De deirdre a 19 de Setembro de 2007 às 12:11
Correcção...nunca tive...sorry.


De ana a 19 de Setembro de 2007 às 16:04
há coisas que sempre me fizeram confusão e para as quais não encontro nenhuma explicação lógica: porque é que se generaliza tanto!? porque é que há esta necessidade absurda de categorizar as pessoas?! já vivi numa casa secular. havia baratas. nunca gritei. nunca matei nenhuma. a mim aflige-me o medo e o desnorteamento que o nosso tamanho provoca nos outros animais. porque é que há esta necessidade absurda de "pertencer" ou de "não pertencer" a estatísticas?


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 17:42
Generalizar é uma tendência natural do ser humano e, normalmente, até o fazemos dando-nos como termo de comparação.
Mas a verdade é que em algumas coisas se pode mesmo retirar conclusões genéricas, por exemplo, é claro que nem todas as mulheres "têm" dores de cabeça para evitar o sexo, mas a estória surgiu por alguma razão, verdade?


De ana a 19 de Setembro de 2007 às 18:06
:) obrigada pela gargalhada. e pela resposta. constato que é apenas a necessidade de criar normalidade. se é verdade ou não, não sei :) cada vez sei mais que sei menos.


De sAndRa a 19 de Setembro de 2007 às 16:33
A mim mete me impressao, nao medo. Vivo sozinha á algum tempo e desenrrasco me bem. Ja pensaste que as mulheres podem fazer isso para chamar a atençao, para que continue o mito que somos o elo mais fraco. Para voces nos protegerem... Ou por exemplo quando se tem um vizinho bem jeitoso da sempre jeito uma barata. ...É como a historia dos pneus e de ver se carro tme agua, qualquer mulher o sabe fazer, mas se os homens param logo os seus carinhos e vÊm sujar as maos porque havemos nos de os trocar!!!
beijo


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 17:45
Acharia muito mais sensato se o fizessem relativamente ao trabalho em casa, como por exemplo cozinhar ou passar a ferro.
Assim somos nós, homens, que chegamos e sentamo-nos, enquanto vcs dão ao chinelo : )


De sAndRa a 20 de Setembro de 2007 às 16:26
Em relaçao a isso nao fomos la muito inteligentes. Mas nada que as pouquinhos e sem darem por isso nao coloquemos no lugar. lol
Eu por acaso faço questao de cozinhar (gosto de inventar) ...


De antídoto a 20 de Setembro de 2007 às 16:59
Espero que esse gosto se estenda a tudo : )


De Lena a 19 de Setembro de 2007 às 16:50
Mais um blog que gosto de ler. Vou consultar mais vezes.
Merece o destaque.
M.H.


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 17:46
Volta sempre.


De Renata a 19 de Setembro de 2007 às 17:01
Olá! Tenho um blog de revendas e gostaria de uma ajuda para a publicação do blog. Vc poderia adicioná-lo no seu blog?

Obrigada,
Renata


De antídoto a 19 de Setembro de 2007 às 17:48
Desculpa mas não o faço por regra, já ficou aqui a publicidade.


Comentar post

coisas ditas

Case Study: DSK

Fui raptado por extra-ter...

3 em 1 - Exemplos do que ...

Música pela paz

Ainda bem que não somos p...

Destroque-me

O que é uma pessoa defici...

Leva-me à minha rua

Inversão de valores

Tarde de mais

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds