Domingo, 21 de Janeiro de 2007
Tinha eu os meus 15 ou 16 anitos e decidi ir ao cinema com os amigos.
Era um Domingo à tarde e já não me recordo de qual era o filme, apenas que era um daqueles que toda a gente quer ver.
Naqueles tempos os filmes chegavam à província com um ou dois meses de atraso relativamente à sua estreia, em Lisboa, daí que combinámos ir bem cedo para evitar a fila na bilheteira.
Fomos dos primeiros a adquirir as entradas e ficámos na rua, a conversar e a fazer tempo.
Entretanto a fila ganhou uma dimensão considerável, pelo que tivemos que a atravessar para entrar.
Eu estava a fumar, pedi licença, mas, quando ia a passar, um recuo súbito da pessoa à minha direita fez-me tocar com o borrão do cigarro na gravata de seda do senhor à minha esquerda.
Fiquei aflito, pedi mil desculpas, mas o homem foi simpatiquíssimo. Descansou-me, disse-me que são coisas que acontecem, aconselhou-me a deixar de fumar, enfim, um gajo porreiro.
Lá entrei e vi, descansadamente, a primeira metade do filme.
No intervalo saímos e estávamos a discutir, animadamente, as ocorrências, quando vejo o senhor da gravata a aproximar-se, acompanhado por dois polícias.
Chegam junto a nós, ele aponta-me e diz, “foi este aqui”.
Fico aparvalhado e acagaçado, não sabia o que se estava a passar. Notem que naquele tempo o respeito pelos mais velhos em geral e pela autoridade em particular era uma regra imposta pela educação. E, no que respeita à autoridade, o respeito era acompanhado por um temor reverente.
Comecei a gaguejar que tinha sido sem querer, que pagava a gravata, mas um dos polícias agarrou-me por um braço, mandou-me calar e perguntou com voz dura:
- Roubaste o alfinete de gravata deste senhor?
- Roubar??!! Não, não, eu não roubei nada, não fui eu.
- É melhor p’ra ti confessares já.
Imaginem a vergonha e humilhação, um miúdo agarrado pela polícia no átrio de um cinema cheio de gente, que nos começou a rodear para melhor apreciar o segundo filme da tarde.
Fui quase arrastado para a rua, metido num carro-patrulha e levado para a esquadra.
Aí chegado, empurraram-me com brutalidade para dentro de uma sala, onde fui revistado e interrogado como se fosse um qualquer malfeitor, com um ou dois sopapos à mistura.
- Confessa que é melhor!
- Não fui eu!
- A quem é que passaste o alfinete?
- Não passei nada, não roubei nada.
- Vais parar a um reformatório que até te lixas!
Já estava quase a desmanchar-me a chorar quando entra um oficial mais bem formado (ou será que era o polícia bom, como se vê nos interrogatórios dos filmes?) que manda os outros saírem, pede que me dêem um copo de água, me acalma e começa a repetir-me as perguntas, só que desta vez de uma forma delicada.
Passados alguns minutos manda chamar o senhor da gravata, reconfirma toda a estória e, num dado momento, pergunta-lhe se tem a certeza que tinha posto o alfinete, antes de sair de casa.
O homem confirmou que sim, que o alfinete era de ouro, tinha sido um presente da falecida esposa e que, tal como as duas alianças que usava na mão esquerda, era um acessório de uso diário, nunca saia de casa sem ele.
Mas, depois de alguma insistência, lá se decidiu a ligar para casa.
- Está lá?! É o pai, faz-me um favor filha, vai ao meu quarto e vê se lá está o meu alfinete de gravata.
Passado um minuto desligou e olhou para mim com cara de culpa.
- Ai desculpa, não sei como é que isto aconteceu…
Agora foi a vez dele de ouvir das boas, do polícia bom. Fui acalmando enquanto ouvia, deliciado, o verdadeiro raspanete que o homem estava a levar. Mas de repente apercebi-me que aquilo ia ficar por ali mesmo, lembrei-me dos olhares acusadores no cinema, do susto, da humilhação e cheguei-me à frente.
- Desculpe, senhor guarda, mas agora sou eu que quero apresentar uma queixa, fui enxovalhado, envergonhado, isto não fica assim.
Claro que me tentaram demover, mas quanto mais pensava mais furioso ficava e não cedi.
Finalmente o homem puxa da carteira, saca de uma das antigas notas de 1.000 escudos e diz que lamenta muito, que pede desculpa, mas que espera poder ressarcir-me do embaraço.
Ainda fiquei mais furioso, então o sacana faz-me passar por aquela vergonha e agora espera comprar-me com mil paus?! Disse-lhe na cara que a gracinha ia sair-lhe muito mais cara.
Juntou-se um coro de gente a aconselhar-me a deixar aquilo assim mesmo, mas eu estava decidido. O homem, vendo a vida a andar para trás, vai tirando notas da carteira e, finalmente, acena-me com dez milenas à frente dos olhos.
Meus amigos, eu sei que é triste, mas 10 contos naquele tempo?!
Era muito dinheiro e confesso que já só pensava em tudo o que poderia comprar e fazer com ele. Lá estiquei a mão para o dinheiro mas… nunca tive sorte nenhuma.
Foi aí que bati com o braço na mesinha de cabeceira e acordei.


antídoto às 01:37 | link do post | comentar

12 comentários:
De Anónimo a 22 de Janeiro de 2007 às 18:59
Mas tinhas toda a razão, dez milenas naquela altura pagavam muito enxovalho e depois a malta que estava no cinema já nem ficaria a saber.
Pena ser um sonho.


De Maria a 22 de Janeiro de 2007 às 15:57
Boas! Um bom futuro para Ti: Realizador (se já não o és ..lol..). Concordo com o Antídoto, vamos passar para os sonhos húmidos ;)
Fikem sempre bem, cumprimentos e larguras :)


De Anónimo a 22 de Janeiro de 2007 às 10:49
heheheh... adorei...

Es canhoto?


De antídoto a 22 de Janeiro de 2007 às 10:26
Cor, som, enfim, alta definição : )


De Anónimo a 22 de Janeiro de 2007 às 09:38
ahhhh poizé, todos temos o nosso preço, alto, baixo, com milena ou outra "moeda" qualquer.mas voltando ao sonho, com tantos pormenores atrevo-me a perguntar: sonhas a cores?


De antídoto a 21 de Janeiro de 2007 às 23:08
diva - terapio-me a mim próprio.

maria - pois que não tinha dado por ela, acho que desta vez ficou bem.
E prontes, vou passar para os sonhos húmidos, como os outros...

ailéh - foi com o esquerdo... ou com o direito


De Anónimo a 21 de Janeiro de 2007 às 20:49
Com qual dos cotovelos bateste? :-))))


De Maria D'as Dores a 21 de Janeiro de 2007 às 19:42
Bom, para começar, ó veneno avulso, já te deste conta que a musiquinha que tens aí do lado direito perdeu o pio (se é que alguma vez o teve!)

Bateu com o braço na mesinha de cabeceira? Pois é muito bem feito! Quem o manda ter sonhos desses tão gananciosos?


De Diva a 21 de Janeiro de 2007 às 13:34
Antídoto,
Diva fica mais descansada por esta história não passar de um sonho, caso contrário, já viu as sessões de psicoterapia que teria de pagar para resolver toda uma questão relativa à sua infância...

:)

Pluma para si


De Anónimo a 21 de Janeiro de 2007 às 02:22
Mas eu só julguei mal por isso mesmo.
Odeio pessoas calculistas!!!


Comentar post

coisas ditas

Case Study: DSK

Fui raptado por extra-ter...

3 em 1 - Exemplos do que ...

Música pela paz

Ainda bem que não somos p...

Destroque-me

O que é uma pessoa defici...

Leva-me à minha rua

Inversão de valores

Tarde de mais

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds