Quinta-feira, 27 de Março de 2008
Preocupo-me com a vossa saúde mental, pois que preocupo!
 
E quando passava três dias sem postar notava perfeitamente a vossa angústia, o desespero velado, os sintomas de abstinência…
 
Ora isto não é bom, não quero que se tornem dependentes, há que manter algum equilíbrio.
 
Não se podem esquecer que há mais vida para além disto e que devem conviver mais, ler mais, sair mais, etc mais.
 
Daí que tenha resolvido dar um tempo para vos fazer o desmame.
 
Mas, prontes, sei que estavam a morrer de saudades, pois estavam?
 
 
Música: Janice Hagan - All That Jazz

Arquivado em: ,

antídoto às 12:58 | link do post | comentar | ver comentários (18)

Segunda-feira, 3 de Março de 2008
Continua a discutir-se o sexo dos anjos no que respeita à adopção por casais homossexuais.

Uma sondagem de 2006 refere que apenas 19% dos portugueses concordam com ela.

Os psis são muito cautelosos porque, "no maior interesse da criança", se deve evitar o estigma social que resultaria em ter dois pais ou duas mães, com o correspondente trauma. Sim, claro, hoje em dia é só traumas, temos que ter cuidado.

Convém não esquecer que nada indica que a convivência com pais gay transforme as crianças em gayzinhos. Mas convém, ainda mais, não deixar de procurar provas dessa eventual calamidade. Sim, porque nós somos muito abertos e liberais mas não queremos cá paneleirices.

Entretanto...

O Instituto de Medicina Legal atende, pelo menos, duas crianças por dia, vítimas de abuso sexual, um fenómeno cada vez mais presente ou visível na sociedade portuguesa.
Na esmagadora maioria dos casos, estes crimes são cometidos pelos pais ou família próxima.

O Instituto Português de Apoio à Vítima recebeu, só no primeiro semestre de 2007, 500 participações de violência contra crianças.
Mais de 90% aconteceram no ambiente familiar.

Há no país centenas de crianças institucionalizadas e que nunca serão adoptadas.
E somam-se os casos de maus-tratos, violência e abuso sexual, dentro das instituições estatais ou apoiadas pelo estado.

Ok, estes são pais, tios, primos, educadores, têm legitimidade e não são maricas, as criancinhas ficam bem... 
.
Porque será que a adopção por casais homossexuais me faz lembrar a história da legalização do aborto?

É que o que não é legalmente possível acontece, cada vez mais, na prática.

Pergunto-me o que é preferível. Pais nenhuns, maus pais, ou pais homossexuais que dêem  amor, protecção e educação?

Mas, já se sabe, durante mais uma ou duas décadas vamos continuar, veementemente, a não concordar.



Música: Marlena Shaw - Save the Children


antídoto às 21:29 | link do post | comentar | ver comentários (11)

coisas ditas

Case Study: DSK

Fui raptado por extra-ter...

3 em 1 - Exemplos do que ...

Música pela paz

Ainda bem que não somos p...

Destroque-me

O que é uma pessoa defici...

Leva-me à minha rua

Inversão de valores

Tarde de mais

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds