Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007
Wave
.
Jobim está a tocar para mim. Está aqui sentado, à minha beira, a olhar-me de vez em quando, como se procurasse, a cada acorde que arranca das suas teclas de marfim, o meu sorriso.
Há muito que não o escutava. Há muito que me sentia desligada desta incomensurável sensibilidade e desta tão entranhante forma de estar. Há alturas assim, em que falhamos os nossos sonhos e os nossos compromissos pessoais em nome nem sabemos bem do quê. De coisas que na altura nos parecem mais provavéis, mais significativas. Mas é quando o escuro baixa nos nossos dias que tendemos a avaliar da veracidade dessas nossas opções. Nem sempre as nossas razões são plausíveis, nem sempre os nossos sonhos são justos. Normalmente, por definição, os sonhos não são justos. A vida também não. E é ela quem, tipicamente, nos cria limites e entraves que levamos uma vida toda a curar e a entender. Devia ser ilegal haver limites para os sonhos. Devia ser proibido racionalizar os nossos sonhos, adaptá-los à realidade, restringi-los a esse critério insultuoso que é a razoabilidade. Às vezes olho para trás e vejo-me cheia de garra, de guerra, de guelra no sangue. Vejo-me dona do mundo, imparável, implacável. Devo estar mesmo a envelhecer. Já não tenho o mesmo ritmo, o mesmo poder, a mesma vontade, a mesma determinação. Agora pauto-me por esse conceito miserável da razoabilidade. Não sou ou não faço porque não é razoável que o faça ou que o seja. Porque tudo e todos à minha volta, de repente, passaram a ser mais importantes ou mais pesados em termos de decisão. Já não sou só eu que conto, ja não me tenho só a mim. Agora sou eu e a minha vida, e as minhas responsabilidades e as minhas limitações e a minha imagem e a minha consciência e a minha paciência e a minha razoabilidade. Agora há livros que me ensinam a Ser e gente que me aconselha o que é melhor. Já não sou só eu e os meus livros ou os meus discos ou a minha poesia. Já não estou sozinha mas sinto-me muito mais só. Ando a dormir com livros dos outros, com músicas que não canto e esta infidelidade pesa-me por dentro como toneladas de aço que me afundam todos os dias. Quero os meus sonhos de volta. Intactos, de preferência. Com a mesma sede de viver, com os mesmos contornos, com as mesmas cores. Não quero ter  que  me  adaptar  ou ter  que adaptá-los. Não quero outras escolhas que não as primeiras, não quero outras filas que não as da frente.


(suspiro)



(socorro!!!!)

Sim Jobim, eu sei. "Fundamental é mesmo amar. É impossível ser feliz sozinho"

.
Autora:  Luisa - Blog Fragilidades
.
Música: Tom Jobim - Wave

Arquivado em:

antídoto às 00:09 | link do post | comentar | ver comentários (11)

Quinta-feira, 23 de Agosto de 2007
Há realmente algumas pessoas que são, aparentemente, frias, distantes, egocêntricas, arrogantes, individualistas, indiferentes, insensíveis, inatingíveis, voluntariamente solitárias.
Vão passando pela vida incólumes às emoções, às dores de alma, suportando as tristezas com um sorriso nos lábios, recusando-se a abrir a guarda, a sentir, a sofrer.
Aguentam tudo com estoicismo, encolhendo os ombros ao que não tem remédio, seguindo em frente sem se deterem perante as adversidades.
Há realmente algumas pessoas daquela raça rara que nunca deixam ninguém entrar, que nunca se dão, que vivem sem nunca sentirem nada intensamente.
.
Até ao dia em que…
.
Música: Sangue frio - Clã


antídoto às 15:01 | link do post | comentar | ver comentários (29)

Terça-feira, 14 de Agosto de 2007
Estava deitado de costas, profundamente adormecido.
Ela entrou no quarto e olhou-o longamente.
Aproximou-se em silêncio e percorreu-lhe o corpo nu, deliciada, antevendo o momento em que o iria comer.
Suavemente, sem o acordar, subiu-lhe para cima, aproximou a boca gulosa e mordeu-o.
De manhã, quando o despertador tocou, ele mal conseguia abrir o olho direito.
Olhou-se ao espelho e viu a pálpebra inchada, dorida e inflamada.
- Puta da bicharoca !!

Arquivado em:

antídoto às 18:07 | link do post | comentar | ver comentários (19)

Terça-feira, 7 de Agosto de 2007

Há momentos que são aparentemente simples e banais mas que me dão muito gozo.

Tenho convivido com um pitorrinho de quatro anos, daqueles que têm uma curiosidade e energia inesgotáveis.

Um dia destes, para o manter mais calmo enquanto tomava café, dei-lhe uma moeda, dizendo-lhe que era mágica, para ele a guardar bem que depois lha pedia de volta.

Passados uns minutos ouvi-a a cair no chão e perguntei-lhe pela minha moeda.

Olhou para as próprias mãos, olhou para mesa, olhou para mim e respondeu descontraidamente "é mágica, desapareceu", fazendo-me rir a bom rir com a forma lógica e airosa com que resolveu a questão.

Gosto de brincar com este meu amiguinho que se estivesse ligado a um dínamo até fazia patanisca.

Por falar em patanisca, vou agora ali jantar meia dúzia delas, acompanhadas com um belo arroz de feijoca e um rosé bem fresquinho.

A vida não é bela?!

.

Música: Me and my mule - Jack Dupree


Arquivado em:

antídoto às 19:38 | link do post | comentar | ver comentários (9)

Domingo, 5 de Agosto de 2007

 

 

Passamos a vida a levar afagos... da vida.

Mas, tal como deixámos de nos sensibilizar pelas imagens de fome, guerra e dramas que tais, por esse mundo fora, já nem damos por eles.

Aquilo que temos de bom é-nos banal, não reparamos, não o sentimos, não valorizamos.

Vivemos num cantinho do mundo calmo e muito agradável, em comparação com boa parte dele. A maioria de nós tem trabalho, casa, família, amigos, uma vida razoavelmente agradável.

No entanto passamos o tempo a lamuriar-nos por tudo e por nada, deixamo-nos invadir pelo tédio e andamos permanentemente em busca de algo que nem sabemos muito bem o que é.

O facto é que a vida não nos dá só estalos, também nos dá afagos diariamente e alguns deles bem grandes e quando menos esperamos.

Pensem nisso.


Arquivado em:

antídoto às 20:56 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Sábado, 4 de Agosto de 2007

Enquanto continuo com os testes, tomem lá alma.

 

 



antídoto às 23:20 | link do post | comentar

Quinta-feira, 2 de Agosto de 2007

Ou sentem-se, larguei o Blogger e agora é aqui.

Ainda ando a conhecer os cantos à casa e a tentar perceber se os vizinhos de cima fazem muito barulho à noite.

Mas fiquem à vontade.

.


Arquivado em:

antídoto às 21:23 | link do post | comentar | ver comentários (4)

coisas ditas

Case Study: DSK

Fui raptado por extra-ter...

3 em 1 - Exemplos do que ...

Música pela paz

Ainda bem que não somos p...

Destroque-me

O que é uma pessoa defici...

Leva-me à minha rua

Inversão de valores

Tarde de mais

e arquivadas

Julho 2011

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO
subscrever feeds